Nea

IETwitterYoutube Facebook

Sáb18112017

ag

Um centro de referência nacional voltado à discussão, pesquisa e desenvolvimento de projetos nas áreas Agrícola, Agrária e Ambiental. Esse é o resultado da proposta acadêmica adotada pelos membros do Núcleo de Economia Agrícola (NEA), vinculado ao Instituto de Economia (IE) da Unicamp.

Com atividades intensas e docentes qualificados, a instituição possui infra-estrutura completa para oferecer todo o suporte aos alunos e pesquisadores, nacionais e estrangeiros. Da graduação ao doutorado, os estudantes são orientados por um corpo docente especializado. Um dos princípios do ensino segue a aplicação de metodologias reconhecidas por profissionais da área, bem como a atualização constante do corpo docente em temas de pesquisa e projetos desenvolvidos no NEA. Vocação visível nas inúmeras publicações de artigos e teses encontrados em conceituados periódicos da área.

A visibilidade das pesquisas em Economia Agrícola levaram o Núcleo à uma grande integração também com outras instituições, para intercâmbio de informações e formação de parcerias em projetos, um dos traços marcantes mantidos pelos seus fundadores desde 1986. A primeira formação do NEA era composta pelos professores doutores Rinaldo Fonseca, Antonio Marcio Buainain, José Maria Ferreira Jardim da Silveira, Bastiaan Reydon, Walter Belik, Luis Carlos Guedes Pinto e Angela Kageyama, sob a liderança de José Graziano da Silva, atualmente diretor da FAO para a América Latina. Pioneiro na discussão do espaço do setor agropecuário no mercado Ao longo de sua história, uma das principais ações do NEA foi a implementação do Programa de Pós-graduação (stricto sensu) em Desenvolvimento Econômico, criado em 1995, pelos fundadores, com o objetivo de inserir a agricultura e a questão agrária nos marcos do desenvolvimento econômico do país.

Nesse sentido, essa área de concentração se dedica, principalmente, à análise do processo de geração e difusão da inovação e à avaliação de seus impactos no espaço rural e setores correlatos, à análise dos instrumentos de política econômica e social dedicados ao meio rural e ao agronegócio. A partir desse contexto o NEA é considerado um dos pioneiros na discussão do espaço do setor agropecuário no conjunto da economia, oferecendo particular atenção às articulações com os setores industriais à montante, com o mercado externo, Estado, instituições financeiras, multilaterais e de pesquisa. Essa forma de tratar a agropecuária ampliou a análise e superou os enfoques centrados apenas em produtos, preços e mercados específicos, contribuindo com a análise de outras relações. Assim, os professores combinam a formação nos campos da economia política com enfoques atualizados, da Nova Economia Institucional, das visões evolucionistas e de Organização Industrial.

A amplitude de visões associa-se ao rigoroso uso de técnicas derivadas dos métodos quantitativos, da econometria e multivariados, passando pelo conhecimento aprofundado das bases de dados que tratam das questões agrícolas e agrárias (IBGE, SEADE), bem como a utilização de metodologias de caráter qualitativo.