Sex24052019

2006–2009: O Brasil e a periferia na era da globalização: inconversibilidade monetária, atraso produtivo, regimes de políticas econômicas e desenvolvimento

Financiador: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (projeto temático)

Situação: concluído em outubro de 2009. Para resultados ver publicações individuais.

Descrição: Este projeto pretende investigar as implicações do contexto econômico contemporâneo para a definição de políticas macroeconômicas e de desenvolvimento, particularmente sob as condições vigentes na economia brasileira, que serão objeto de comparação com aquelas de outros países periféricos, latino-americanos e asiáticos. Motiva esse esforço a constatação de que, no cenário pós-Bretton Woods - marcado pelo predomínio dos regimes de câmbio flexível nas principais economias, pela desregulamentação financeira e pela mobilidade do capital - aprofundam-se assimetrias importantes entre os próprios países periféricos. Crescimento baixo e instável caracteriza, de forma praticamente geral, a performance latino-americana e brasileira, enquanto que, na chamada Ásia dinâmica, o crescimento é suficientemente acelerado para promover a tão almejada convergência rumo a níveis de renda per capita característicos dos países centrais; os quatro primeiros NICs asiáticos incorporam-se ao mundo desenvolvido (onde, de resto, persiste a assimetria entre o vigor da economia norte-americana e a morosidade européia e japonesa) e a China agiganta-se, contribuindo para determinar, na região, um ritmo de crescimento muito superior ao observado no resto da periferia. O projeto parte das hipóteses de que (a) As economias periféricas têm como características históricas centrais o atraso produtivo (aferido por centralização do capital e escalas relativamente baixas, bem como pela inCapacidade de geração de progresso técnico) e a inconversibilidade monetária (entendida como a ausência de curso internacional das moedas por elas emitidas). (b) Cabe às políticas macroeconômicas e de desenvolvimento um papel fundamental para contornar as restrições derivadas da inconversibilidade monetária e promover a constituição de um parque produtivo que permita uma inserção externa robusta e dê suporte a um processo sustentado de crescimento.

Participantes: Antonio Carlos Macedo e Silva; Daniela Magalhães Prates; Émerson Fernandes Marçal; Francisco Luiz Cazeiro Lopreato; Maryse Farhi; Ricardo de Medeiros Carneiro (coordenador).